Arquivo do mês: novembro 2006

constatação

A mulher pode ser incrível, de parar o trânsito, como se ouvia dizer há alguns anos, pode ter todos os predicados que transformam uma moça comum numa outra, desejada e centro das atenções masculinas… Ela pode ter e ser tudo … Continuar lendo

Publicado em la comedie des jours | Deixe um comentário

das pequenas alegrias

Dancei – twist, rock, boogie-woogie, nada-certo, tudo-junto. Risadas ao pé-do-ouvido e tequila com tabasco. Cantei na frente de algumas pessoas. (Elogiaram minha voz e eu não soube onde colocar as mãos.) Mas de tudo, o melhor foi ter brincado com … Continuar lendo

Publicado em la comedie des jours | Deixe um comentário

Romantismo… pff…

A dor é inevitável, o sofrimento é opcional. (Carlos Drummond de Andrade)   Ah, eu não consigo começar esse texto. Já escrevi e apaguei umas três vezes. O que eu quero dizer se resume numa frase: ame sem querer. E … Continuar lendo

Publicado em dos pequenos devaneios | 1 Comentário

orkut.

Num mundo distante e pouco bonito, havia um tipo especial de flor que vivia durante todo o ano. O ano lá durava quinze segundos. No décimo quinto segundo do ano que havia passado, a flor que morria deixava cair no … Continuar lendo

Publicado em la comedie des jours | Deixe um comentário

(Texto de merda.)

Vontade de escrever no ritmo da música que vai tocando, sem perder muito tempo com a conexão das idéias, dá vontade de lembrar e escrever. E por que não? Bichas no ônibus, quatro delas, já embarcadas quando entrei. Entrei junto … Continuar lendo

Publicado em la comedie des jours | Deixe um comentário

(Im)Paciência

O rosto limpo, sem maquiagem; os cabelos presos atrás da cabeça, mas não num rabo de cavalo, estavam daquele jeito que só uma parte do cabelo fica presa e uma outra parte fica solta, por baixo; blusa preta, colada ao … Continuar lendo

Publicado em la comedie des jours | Deixe um comentário

Anos

Eu me relaciono de um jeito estranho com as coisas do mundo. Preciso delas verbalizadas para que ganhem a força que têm, de fato. Quando ela morreu, há três anos, eu entrei num estado catatônico até que um amigo me … Continuar lendo

Publicado em la comedie des jours | Deixe um comentário