Arquivo do mês: março 2005

É azul, a minha estrela.

Tem um ruído que sempre acompanha a noite. Eu às vezes o ouço, porque aqui tudo é muito quieto à noite. É uma espécie de rumorejo leve, mas grave e profundo. Quando vim de São Paulo pra cá e percebi … Continuar lendo

Publicado em la comedie des jours | Deixe um comentário

Eu sou uma roda-gigante que anda. =)

“La valse d’Amélie” é o nome dessa música que ouço agora – repetindo-se várias e várias vezes. A trilha sonora que percorre todo o filme “Le fabuleux destin d’Amélie Poulain”. Uma valsa mais rápida, tocada com – me parece – … Continuar lendo

Publicado em la comedie des jours | Deixe um comentário

Não sei dos outros, mas eu, às vezes, prefiro fugi…

Não sei dos outros, mas eu, às vezes, prefiro fugir de certos assuntos que eu, na minha infinita indelicadeza, tento travar comigo mesmo. São coisinhas, bobagens. Faço isso sempre que algum assunto vai ficando maior, maior, gigante, muito, muito bravo. … Continuar lendo

Publicado em la comedie des jours | Deixe um comentário

Como um monumental (e ilusório) jogo de xadrez.

Hoje foi o primeiro dia frio do ano. Não. Mentira. Hoje foi o primeiro dia “não-quente” do ano. Sim, isso sim. E, não sei bem porquê, mas sempre que, ao acordar, abro a janela e o topo da serra que … Continuar lendo

Publicado em la comedie des jours | Deixe um comentário

A gente se liberta às vezes de certas amarras e de…

A gente se liberta às vezes de certas amarras e deixa escapar, saindo desavisadamente mesmo, um pequeno sorriso no canto do lábio. Um movimento que poderia ser apenas mais um, só momento tem tanto significado que, eu acho, nem encontra … Continuar lendo

Publicado em la comedie des jours | Deixe um comentário

Que agora as coisas começaram…

Quando vejo um quadro de Monet sempre penso numa pessoa. É sempre ela. E… bom, eu acharia lindo se alguém me associasse a algum objeto tão belo quanto uma pintura de Monet. Na verdade, muitas coisas me remetem a muitas … Continuar lendo

Publicado em la comedie des jours | Deixe um comentário

Um motivo para sorrir.

Me agrada muito a idéia de mergulhar fundo e sem oxigênio no mar esverdeado dos olhos que vi hoje. Ir desaparecendo sem preocupações na profundidade daquele olhar. Estava tudo ali: boca, nariz, cabelos, um rosto, enfim; mas eu só pude … Continuar lendo

Publicado em la comedie des jours | Deixe um comentário