Достое́вский

vontade de a poesia voltar com mais força. vontade de ler o Rosa, “Grande sertão: veredas“, e reaprender com Riobaldo a “travessia”.

não culpo os dias pela insistência em transformarem minhas tentativas em nada. talvez seja essa a sua função – e nada do que se diga ou faça conseguirá mudar o fato absolutamente desagradável. (mas quanto fatalismo…)

no entanto, ontem, minha primeira noite das férias (que ainda são 95% férias), peguei “Memórias do subsolo” (ou “Notas do subterrâneo“, como era antes) para reler. Dostoiévski quando a vontade era Guimarães Rosa.

e por quê?

porque esse ano, que ainda não terminou, e não acaba nunca, me mostrou mais coisas sobre mim que eu desconhecia ou ignorava. (não é retrospectiva chata… é só pra entender porque o russo e não o mineiro.)

em várias oportunidades ao longo do ano me vi ultrapassando certos limites – alguns impostos por mim, outros vindos não sei bem de onde. tudo muito timidamente. não levantei bandeiras, nem de longe me arvoro de algum feito… cometi pequenos crimes. me atrevi a discretos comportamentos tidos como desaconselháveis. reli “O primo Basílio” (em função do filme, lançado esse ano) e reencontrei Juliana – a mesma Juliana por quem nutri uma afeição sincera anos atrás, na primeira leitura. sorri no cinema enquanto ela – mesmo em São Paulo, na década de 1950, contracenando com um falso Jorge|Reinaldo Gianecchinni – torturava a patroa (igualmente falsa).

escolhi companhias. refiz amizades. desrespeitei regras.

não me arvoro. não me sinto um fora-da-lei. não quero ser reconhecido como “aquele, o imbecil, que pensa que pensa”; não.

entendo Rodion Raskolnikov, do outro livro. de um jeito que não pretendo que seja “meu” – sem maiores pretensões. apenas que são confusões semelhantes. pensamentos que fazem com que eu me irrite ao primeiro sinal de punição ou retaliação – especialmente se atenta contra minha liberdade (como normalmente acontece). e não penso em prisões.

a miséria humana me é compreensível. (e não me surpreende.)

(e, no mais, tudo o que queria, minha mais sincera vontade, era apenas um pouco mais da poesia de outros dias. uma chance. a chance de chegar a um lugar e poder permanecer no silêncio – sem explicações.)

Anúncios

Sobre thiago gonçalves

se tanto.
Esse post foi publicado em dos pequenos devaneios. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s