aniversário, amigos, dessas coisas…

Carta que eu enviaria a todos os amigos que lembraram do meu aniversário e mandaram seus bons desejos. Não sei como fazer isso, nem quero que vire um spam maldito. Fica aqui. Tomara que alguns leiam.

_____________________________

Eu sempre lutei (ainda luto) por uma noite como essa. Não houve presentes que me soterrassem, não houve festa farta e cheia de pessoas… Não houve. Mas houve (há) lágrimas nos olhos por eu ter conquistado a honra imensa de poder partilhar minha vida com pessoas tão especiais. Eu sou piegas. Ontem, tentando escrever alguma coisa qualquer sobre esse décimo-sétimo de abril, me irritei com minha pieguice e desisti do texto que saía cheio de referências emocionais sobre o ano que terminou. Mas não dá: sou assim, feito disso, me alimento disso – desse sentimento puro que a malícia dos dias que correm costuma chamar pieguice.

Quando peço pra não soltarem minha mão (porque é a mesma mão, exatamente a mesma) estou pedindo ao sentimento mais profundo que me une a cada um de vocês – e que vive no mais de-dentro de todos – a chance de fazer realidade essa minha possibilidade de dividir, de ser em cada um, de me doar pra cada um… Porque eu não sei ser de outro jeito. Muita gente já me disse que não presta ajeitar o do outro se o nosso está ruim. Eu ouço e concordo, porque alguém que não esteja ajudado (por si ou por outro), não pode pretender ajudar; mas não sei fazer de outro jeito. Escrevi uma vez (porque eu sempre escrevo), e repito sem medo agora, que eu iria ao Inferno e voltaria se preciso fosse por cada um de vocês. Não há, na minha vida, nada mais importante do que as amizades sinceras que construí durante esses vinte e três anos.

Eu sou o que vocês sabem, o que vocês vêem e raras são as vezes em que tento disfarçar isso. Falo alto, mexo as mãos; não falo, fecho a cara; rio, brigo, discuto, me calo… A gente não consegue fugir do que é. Não é ruim ser o que sou. Já foi. Numa época em que vocês não existiam e tudo era menos colorido, mais triste, menos possível. A mágica da amizade, penso eu cá com meus botões já velhos e carcomidos, é justamente essa propriedade que ela tem de tornar as coisas possíveis. Quem tem amigos verdadeiros sabe do que eu estou falando. Tem um qualquer coisa que você precisa fazer, alguém vai estar lá pra te ajudar. Tem uma conversa séria que você precisa ter, alguém vai estar lá pra te ouvir. Tem uma piada nova e tosca pra contar, alguém vai estar lá pra rir. Tem uma bronca pra levar, alguém vai estar lá pra puxar a orelha. Amigos apóiam a vida. Amigos são refúgio, porto seguro, jardim florido numa tarde fria, sorvete de massa num passeio por Ouro Preto, pizza na Borda de Ouro, viagem longa pra Belo Horizonte, lembranças queridas da infância, piadas no banco da EB, são os meus chupetas, festas e cervejas (sempre que possível), futebol no Brinco de Ouro, Geografia nas horas vagas, abraços (uta!), beijos na bochecha, carinho sem querer. Amigos são a minha vida – e os olhos cheios de lágrimas de agora são prova irrefutável do quanto são importantes cada um dos recados deixados na minha página do orkut.

Cada qual uma honra particular. Cada qual um universo inteiro pra explorar. Cada qual um jeito diferente de ser visto e de me ver, de entender e de ser entendido, de desentender e ser desentendido…

Precisava agradecer imensamente a todos pelos bons desejos. Um sorriso àqueles que leram e entenderam. Um outro àqueles que ao menos tentaram.

Obrigado a todos. Sinceramente.

Anúncios

Sobre thiago gonçalves

se tanto.
Esse post foi publicado em dos pequenos devaneios, la comedie des jours. Bookmark o link permanente.

5 respostas para aniversário, amigos, dessas coisas…

  1. Tarci disse:

    :’) ‘tendi.

    beijo.

  2. Marina disse:

    É, não tenho mesmo o costume de ler blogs, mas quando vi seu scrap dizendo sobre este texto, saberia que valeria a pena! E valeu!
    E a manteigona derretida aqui, a medida que ia lendo, ficou com os olhos cheios de água e riu sozinha.
    Parabéns de novo, Thiago! Vc merece todos os momentos bons e risadas que já passou na vida!
    Um “uta” da Má!

  3. ‘tá lido
    ‘tá entendido
    é, é verdade

  4. Majore disse:

    Passei sem querer, deletei-me, aprendi um tantinho, chorei, senti o que sente e mais, sinto uma satisfação que reconheço por sua particularidade… uma satisfação que me assalta todas as vezes que sinto no outro a explosão que a sensação de estar repleto causa. Felicidade!
    Rogo que vc tenha uma boa vida, sempre. Que conquiste amigos pra te ouvir, te ajudar, partilhar momentos vários… viver a verdade da humanidade que há em nós.
    ADeus.

  5. Ei!

    E bem. São nesses momentos únicos que sentimos o pulso da vida. Não só pela cabeça latejando no dia seguinte, mas pelas surpresas boas que acabamos tendo nesse meio tempo.

    Abraço ao aniversariado,
    Otão

    “Desesperar jamais. Nós nunca aprendemos tanto como nesses últimos anos” – Ivan Lins

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s