Bandas e Discos

Um amigo me pediu uma seleção de músicas e de bandas de lugares estranhos que eu costumo ouvir. Gravei o CD e coloquei junto uma folha com algumas palavras sobre cada selecionado. Resolvi reproduzir aqui. Nâo tive a pretensão de fazer resenhas jornalísticas… São só pensamentos sobre cada disco. Vejam aí:

Darko RundekRuke [2004]Ruke
Esse moço é um croata. Mas não um croata qualquer. Ele é poeta, músico, escritor, ativista – é quase um chato. Pra produzir esse disco ele se trancou num navio no mar Adriático com a banda e ficou lá, isolado, por semanas, compondo e gravando as faixas todas. O que saiu é uma mistura de música típica lá dos Bálcãs com elementos modernos bem interessantes. A música tradicional dos Bálcãs tem uma influência muito forte do ritmo cigano. As tribos ciganas pararam ali, séculos atrás, vindas da Índia e deixaram sua marca na população. Geralmente são bandas de metais, bem numerosas, quase nunca acompanhadas de canto – só intrumental mesmo. Nesse Ruke, no entanto, todas as faixas tem letras – em croata, claro, mas também em francês e, ora veja!, em português, na voz da incrível Cesária Évora. Eu ouço esse disco sem parar. É um dos meus favoritos.

Huun-Huur-TuThe Orphan’s Lament [1994]
Sabe a Mongólia, aquele país entre a Rússia e China? Então, as pessoas de lá também têm tradições musicais. Nesse caso específico, a banda não é mongol, mas sim de Tuva, uma das muitas pequenas repúblicas que formam a Federação Russa hoje em dia. O Huun-Huur-Tu é um quarteto de canto gutural. Não é um som com o qual nós estamos habituados. Esse tipo de canto consiste na produção de até quatro freqüências de som diferentes por um único cantor, e ele faz isso na garganta (daí o termo “gutural”). É um som muito diferente de tudo o que a gente está acostumado e pode assustar no começo, mas eu particularmente acho bastante bonito. Esses cantores são selecionados ainda meninos e recebem tratamento especial, aulas particulares… A história desse tipo de canto é que os mongóis são um povo nômade (até hoje, inclusive), e a paisagem na Mongólia é cheia de vales, desfiladeiros, mas também de imensos campos gramados. Eles cantavam assim para se comunicar – porque a potência dos sons produzidos pode ser muito grande. Ouça com cuidado.

Kapela ze Wsi WarzsawaWiosna Ludu [2001]
Traduzindo o nome da banda pro português vira algo como “Banda do Povo de Varsóvia”. É um pessoal da Polônia, gente nova, que montou esse grupo musical com uma única finalidade: resgatar as tradições musicais do país que estão se perdendo nesses tempos sombrios de globalização e homogeneização de mentes e gostos mundo a fora. O nome do disco, Wiosna Ludu, quer dizer Primavera dos Povos. No manifesto criativo da banda está escrito exatamente isso: que eles querem ser uma alternativa à bitolagem promovida pela globalização que faz todo mundo gostar das mesmas coisas. As músicas são cantadas em polonês – é impossível entender o que eles cantam –, mas o ritmo das músicas é contagiante, com grande número de tambores e outras percussões, além de instrumentos típicos da Polônia, com nomes absolutamente impronunciáveis. É outro favorito. No segundo disco, que eu ainda não te dei, eles saíram numa van pelo interior do país gravando elementos musicais escondidos nas pequenas vilas e depois usaram esse material na produção do disco que se chama Wykorzenienie, ou, em bom português, Desenraizando; outro dia te dou.

LeningradHleb [2005]
Essa aqui é mais do gosto do meu irmão (todo punk e revoltado) do que do meu. É um ska-punk (ah, as classificações) mais puxado, mais cheio de guitarra, que não é exatamente a minha. Mas como você já me deu provas de que gosta desses barulhos que o Rafa ouve, resolvi colocar o Leningrad. É uma banda russa que a maioria dos russos odeia. As letras são cheias de palavrões e xingamentos, cheias de termos de baixo calão e ofensivos, mas como a gente não entende nada, como ficamos só com as melodias mesmo, pra quem gosta de coisas mais agitadas, é uma boa pedida.

LoitumaIn the Moonlight [1999]
Esse daqui é um quarteto vocal finlandês que eu gosto muito. Eles se juntaram numa academia finlandesa que se dedica a estudar os vários ritmos musicais tradicionais do país e do mundo, chamada Sibelius Academy. Eles ficaram relativamente famosos através do YouTube, porque alguém usou uma das músicas deles, chamada ievan Polkka (ou, a Polca de Eva) como trilha sonora de uma animação porca em flash. Esse disco, que em finlandês chama Kuutamolla, não é o disco da tal música famosa, mas tem melodias lindas, como a primeira e a quinta.

MadredeusAntologia [2000]
Ah, o Madredeus… Acho que a voz da Teresa Salgueiro é uma das coisas mais lindas que eu já ouvi. Parece um anjo cantando. Esse grupo é português e existe desde 1985. Nasceu em Lisboa e já veio várias vezes ao Brasil, todas elas antes de eu me encantar pelas músicas. Essa Antologia resgata as principais composições da banda. É lindo. Um dos discos mais lindos que eu já ouvi. Nem tenho muito o que falar, fico me repetindo, só ouve e se delicia.

Mary Jane LamondÒrain ghàidhlig [2001]
A música celta é feita basicamente de tambores, gaitas de fole, palmas e palavras impronunciáveis em línguas estranhíssimas, como o irlandês, o bretão, o gaélico e o gaélico escocês, que, por acaso, é a língua na qual canta essa moça canadense, com ascendência escocesa. Os celtas foram um povo muito respeitado em toda a Europa durante muitos séculos (na época dos romanos), sempre cercados de mistérios e lendas, acabaram se restringindo às Ilhas Britânicas, mais propriamente na ilha da Irlanda e na região da Escócia. Ainda hoje muitas pessoas se dedicam aos cultos pagãos da tradição céltica por aquelas bandas. E a Mary Jane, tendo toda essa bagagem cultural atrás de si, resolveu compor novas músicas e resgatar antigas músicas tradicionais do povo de quem ela descende. O que saiu foi uma coletânea lindíssima, cantada de uma maneira leve e calma… Eu gosto bastante.

Oskorri25 Kantu-urte [1996]
Uma banda do País Basco, a terra do ETA. Eu ainda não ouvi muito, mas achei que você fosse gostar por conta desse teu espírito que se empolga com as revoltas e com as lutas e com a formiga que passa no chão… Como não ouvi muito, prefiro não comentar. O que eu sei é que essa banda, Oskorri, é uma das principais do País Basco e, como não podia deixar de ser, tem letras cheias de protestos e revoltas contra a pouca autonomia dada pelo governo da Espanha ao Euskadi. O problema é que é tudo cantado em basco, o que dificulta um pouquinho a compreensão das letras… Só um pouquinho. Esse é o disco de comemoração dos 25 anos da banda, o título é isso: 25 anos de canto.

Taraf de HaïdouksTaraf de Haïdouks [Elektra] [1999]
Ali em cima eu falei um pouco sobre a “música tradicional dos Bálcãs”, que ela tem raízes muito fortes no passado cigano da região, que é feita de bandas de metais muito numerosas e que quase sempre vêm sem letra, as músicas. Pois bem, aqui um exemplo claro disso. Essa banda é da Romênia, mas propriamente duma cidadezinha do interior do país, uma vila com população predominantemente composta por “ţiganii”, que é como eles chamam os ciganos por lá. A língua que eles usam é o roma, que se chama assim por um acaso, já que é uma língua descendente do sânscrito hindu e que foi se misturando com as línguas dos lugares onde os ciganos chegavam. No sul da Espanha, na região da Andaluzia, os ciganos também falam essa língua, que se misturou com o castelhano e virou um dialeto novo, quase incompreensível pelos próprios espanhóis. Boa parte dos integrantes dessa banda fazem parte da mesma família cigana. É um som diferente, também. Mas eu gosto bastante.

Anúncios

Sobre thiago gonçalves

se tanto.
Esse post foi publicado em recomendações do tio. Bookmark o link permanente.

6 respostas para Bandas e Discos

  1. Kriska disse:

    Uai, mudou a decoracao, foi?

    Ficou um chuchu. ;)

  2. Julio disse:

    Achei muito interessantes esses discos…
    Gosto de Huun Huur Tu, mas possuo poucas músicas deles além de que é extremamente difícil encontrar as letras.
    Onde você conseguiu todos esses álbuns?? Gostaria de escutar alguns.
    se puder me responde: julio.forus@gmail.com
    Obrigado

  3. Silvio disse:

    Eu recebi uma misica do leningrad e procurando mais sobre eles achei este blog. Onde posso conseguir aqui estes cds? vc tem idéia?

    Abraços

  4. Pingback: “o pato… vinha cantando alegremente…” « acaba mas até continua

  5. Romoaldo disse:

    Excelente trabalho de compilação

  6. jorge disse:

    muito bom seu blog. me interesso por músicas do mundo todo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s