“tempo, tempo, mano velho…”

Tem dias que não acabam. De dois jeitos. Não acabam porque foram bons, e a gente fica relembrando o tempo todo, mascando feito chiclete os detalhes, refazendo os diálogos, analisando as reações, rindo de novo das piadas, enfiando aqui e ali coisas que não disse mas que deveria ter dito… Ou então, não acabam porque não fazem qualquer diferença. São dias monótonos, sem brilho, sem nenhum grande acontecimento; e aí eles se arrastam e, por exemplo, já passam das duas e meia da madrugada do dia seguinte e ainda é hoje. Entende?

Mas deve ser impressão minha.

Daí que ontem fiquei pensando em um monte de coisas, mas especialmente em uma: o tempo. (Puta pretensão. Mas é verdade.) Acho que talvez eu tenha entendido algo que pessoas mais experientes devem notar: há dois tempos. Há o Tempo – assim, letra maiúscula e tudo -, que é essa invenção da modernidade, aquele que o relógio marca, dividido em várias escalas, guiado pelo movimento dos astros… Quer dizer, o Tempo ele-mesmo. Mas há também, e isso é bastante incrível, se você parar pra pensar, há uma infinidade de possibilidades de percepção desse Tempo, que vão variar e se realizar em cada um de nós. Ou seja, aquela história de que para alguns, uma hora é um tempo (minúscula, eu acho) tão grande e tão interminável quanto é, para outros, uma década. Acho que não é só mera questão de exagero, acontece de fato.

São várias dimensões. São infinitas as maneiras como essas dimensões se relacionam e também são bem grandes as diferentes maneiras com que cada um percebe essas variações.

O que me leva a crer que o que amanhã parecerá apenas uma conversa trivial de alguns poucos minutos para a diretora e para a coordenadora pedagógica da escola, para mim se assemelhará a um intervalo imenso, quase uma era geológica completa. Tudo isso só porque eu posso sair de lá empregado, ou seja, tenho que tentar não fazer nenhuma merda por maior que seja o meu tempo de permanência diante das duas…

Vou me esforçar pra quebrar meu recorde.

Anúncios

Sobre thiago gonçalves

se tanto.
Esse post foi publicado em la comedie des jours. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s