nuvens negras…

Pela primeira vez desde que começou a despedida do inverno, chove durante horas ininterruptas, com direito a raios e trovões. Sem precisar me concentrar muito, posso sentir o ar se molhando, a poeira baixando e se aquietando no chão – que até outrora se esturricava de tão seco. Chuva é prenúncio de recomeço. Venta muito, também. Pela porta entre-aberta surgem alguns respingos gelados. São duas e quarenta e dois da manhã. Eu devia parar de complicar tudo – e sempre. A vida pode ser simples e bonita como uma noite de tempestade no meio de um setembro quente. Meu pai me ensinou muitas coisas durante esses anos – algumas não tão agradáveis -, mas uma em especial: aprendi com ele a admirar e a respeitar essa força toda. Meu pai é a única pessoa que eu conheço que, diferentemente do “normal”, quando começa uma tempestade dessas, se apressa em sentar na cadeira que há na varanda pra apreciar os raios e a chuva batendo forte e barulhenta no chão seco. Diz ele que meu avô o ensinou. Se essa é a herança da minha família, posso dizer que sou um homem de sorte.

*chove*

Anúncios

Sobre thiago gonçalves

se tanto.
Esse post foi publicado em la comedie des jours. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s