Preciso me encontrar (Cartola) Deixe-me ir, precis…

Preciso me encontrar
(Cartola)
Deixe-me ir, preciso andar
Vou por aí a procurar
Rir pra não chorar
Quero assistir ao sol nascer
Ver as águas dos rios correr
Ouvir os pássaros cantar
Eu quero nascer, quero viver
Deixe-me ir preciso andar
Vou por aí a procurar
Rir pra não chorar

É uma dor física (o adjetivo é por eu imaginar que existem as dores d’alma, aquelas…). Há tempos ela não aparecia – nos últimos dias, tem-se feito bastante presente. Começa no pulso esquerdo e sobre o braço, chegando perto do cotovelo. Pensando com calma hoje (enquanto ela doía), concluí que seu caminho não respeita uma lógica qualquer. Dói na parte de baixo do braço, onde se vêem veias e os tendões.
Parece que vai rasgando a carne e é aguda, incômoda; impossível não notar que dói. Aparece sempre que me entristeço. Acredito, então, que há tempos não me entristecia como ultimamente. Some como veio, mas sempre deixa a sensação de que há um motivo definido, grave, pungente, resistindo às minhas tentativas de rir pra não chorar.
Odeio não conseguir me controlar. Odeio perder a batalha e ter que admitir, de mim para mim, minha infinita tristeza. Mas é fato, contra o qual argumentos são absolutamente inúteis.
Anúncios

Sobre thiago gonçalves

se tanto.
Esse post foi publicado em la comedie des jours. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s