Mary Jo: no one can see…

Era uma menininha meio gorda, mas ela não parecia se importar muito com isso. Todo mundo reparava e soltava risinhos contidos quando ela passava com seus joelhos cheios de dobras e as bochechas rosadas. Sua mãe não entendia muito bem como ela nunca havia reclamado disso tudo. O normal, pensava ela, seria uma filha amuada e triste por não ser igual às colegas da classe… Mães e pais sempre se enganam. Principalmente quando pensam normalmente. Puf.

Se tinha nome eu não sei dizer – isso foi há muito tempo. Eu costumava pensar nela como a Mary Jo. Uma vez compus uma pequena linha na minha flauta pra ela e sempre que ela passava de mãos dadas com sua mãe, eu corria até meu quarto, pegava minha flauta e tocava pra ela. Todo mundo olhava – a mãe dela de um jeito engraçado, incluvise -, mas ela nunca virou o rosto rechonchudo pra mim. Ela era ruiva.

Uma tarde, depois de um monte de dias, eu resolvi que quando ela passasse, eu sairia de casa e iria até ela. Tocaria na sua frente, se fosse preciso! Ora… Esperei por muito tempo, mas ela nunca mais voltou. E eu nunca soube o que aconteceu com a Mary Jo. Dizem por aí que a sua família se mudou pra uma cidadezinha do interior – dessas onde ainda se enxerga o céu e as estrelas penduradas nele. Não sei se acredito em estrelas.

A noite vem e o dia a segue, sempre é isso, mas nunca tem estrelas por aqui. Nem Mary Jo. Às vezes lembro dela quando toco alguma música na flauta que tenha algum arranjo parecido com a pequena linha que escrevi pra ela – nessas horas os meus olhos se enchem de água e se bate um ventinho no exato momento, arde muito. Meu avô dizia que a gente não deve brincar de ficar vesgo enquanto está ventando, porque a brincadeira “pode acabar mal” e a gente pode ficar vesgo pra sempre.

Fico imaginando (quase querendo mesmo) se isso service pra meninas meio gordas e de bochechas rosadas. Mas eu toco a flauta em dias de muito vento – muito mesmo, quando as roupas do varau voam longe – e ela não aparece pra sempre. Essa brincadeira, sim, sempre acaba mal…

Anúncios

Sobre thiago gonçalves

se tanto.
Esse post foi publicado em la comedie des jours. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s