Cordel do Fogo Encantado

[barulhos incidentais de alguém colocando uma fita pra tocar e depois, gritos de uma platéia que aplaude]

Diz assim:

A gente vem lá do sertão de Pernambuco – cidade chamada Arco Verde. Poeta Zé da Luz, o poeta Zé da Luz, do início do século, escreveu uma poesia, porque disseram pra ele que pra falar de amor era necessário um português correto, aí Zé da Luz escreveu uma poesia chamada “Ai se sesse”, que diz assim:

Se um dia nós se gostasse
Se um dia nós se queresse
Se nós dois se empareasse
Se juntinho nós dois vivesse
Se juntinho nós dois morasse
Se juntinho nós dois drumisse
Se juntinho nós dois morresse
Se pro céu nós assubisse
Mas porém se acontecesse
De São Pedro não abrisse a porta do céu
E fosse de dizer qualquer tolice
E se eu me arriminasse
E tu com eu insistisse
Pra que eu me arresolvesse
E a minha faca puxasse
E o bucho do céu furasse
Talvez que nós dois ficasse
Talvez que nós dois caísse
E o céu furado arriasse
E as virge toda fugisse

[platéia aplaudindo novamente; acaba a fita; tosse, conversa, risos; uma porta batendo.]

Anúncios

Sobre thiago gonçalves

se tanto.
Esse post foi publicado em la comedie des jours. Bookmark o link permanente.

Uma resposta para Cordel do Fogo Encantado

  1. eladesatinou disse:

    Amei o final da descrição… é exatamente assim!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s