princesa ou rainha – de mim.

Nos meus sonhos eu a vejo, e mal consigo me conter – a vontade de tê-la é forte demais. No entanto, tudo o que tenho é a sua imagem refletida numa lembrança vaga, como são todas aquelas que teimam em nos mostrar o conteúdo etéreo e lúdico dos sonhos.

Quando a vejo, quero crer, faço de longe, de modo quase alheio. Se ela perceber – é a impressão que tenho – fugirá, ou pior, não mais se mostrará a mim, nem sequer fugindo, dando-me as costas.

Roupas, se usa, devem ser feitas da mais leve seda. Não se nota qualquer parte de seu corpo oprimida por tecidos quase duros em sua rudeza. É tudo inexistente ao toque (dos meus olhos, digo: nunca estive próximo a ela, é uma condição inescapável).

Seu rosto aparece parcialmente coberto. Não aparece, então. O que o torna ainda mais belo e misterioso. Na verdade, mistério é a matéria-prima de seus olhos. Compõem-se de luz – a primeva luz, que amanhece com o mundo, nascendo dele. São azuis. De um azul intenso, mas não escuro. Como que metálico, mas mais claro. Inexplicáveis.

Os cabelos, em cascata de cachos negros, se deixam cair pesados e leves sobre suas costas. Ondulam suavemente quando acariciados pelo vento leve e morno que sopra constantemente e que dá ao momento uma tonalidade sépia.

O corpo – vasto, curvilíneo, alto – é a expressão da tortura humana. A comiseração estampa-se no rosto de quem me vê ao fitá-la. Sofro porque a desejo, desejo por não mais suportar a dor de sofrer – e me alegro por alguns instantes.

A boca, de onde emanam todas as douradas estrelas que fulguram em meu céu, é generosa, farta, larga – quase insulta pela beleza; toda ela, aliás. Alguém mais fraco (ou menos arrebatado) a olharia com desdém, com indiferença até.

O lugar de meu eterno observar é frio, repleto de árvores altas, sem folhas, imensos vultos negros contrastando com o chão branco. Vida além dela, apenas algumas flores. A minha? Não é vida. É esperança. Vontade. Desejo. Desejo. Desejo. Observar.

Ela sabe que estou aqui. Sabe que a sei minha.

Vida? Por ela.

Anúncios

Sobre thiago gonçalves

se tanto.
Esse post foi publicado em la comedie des jours. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s